Membro da APoAVa conclui Doutoramento com estudo em acessos vasculares

O estudo de investigação realizado pela Professora Doutora Luciene Muniz Braga, no âmbito do Doutoramento no ramo Enfermagem da Universidade de Lisboa, vem revelar que as práticas de enfermagem no processo de punção de vasos e administração de terapêutica endovenosa são influenciadas por fatores como “ambiente dos cuidados, a sobrecarga de trabalho, a ausência de um cateter em alternativa ao cateter venoso periférico e a indicação deste a todos os doentes”.

O estudo intitulado “Práticas de enfermagem e a segurança do doente no processo de punção de vasos e na administração da terapêutica endovenosa” foi defendido no passado dia 16 de novembro de 2017.

No decurso do estudo realizado numa unidade de medicina de um hospital da região centro de Portugal, foram verificadas situações de “desvio em relação às boas-práticas como, por exemplo, a seleção do adesivo branco não estéril para fixar o cateter venoso periférico no local da inserção, a utilização deste adesivo como penso secundário, a inserção do cateter venoso periférico no membro inferior, ou a administração de medicamentos com características irritantes e/ou vesicantes, com pH inferior 5 ou superior 9, através do cateter venoso periférico”.

 

No estudo de coorte que desenvolveu, a Professora da Universidade Federal de Viçosa identificou com maior incidência, por 1000 CVPs/dia, complicações como obstrução (72,7%), infiltração (59,7%), remoção acidental (65,5%), flebite (43,2%), saída de fluído pelo local de inserção (20,9%) e dor (11,5%).

 

 

Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (PICC)

Segundo a investigadora, “estes resultados indicavam a necessidade de melhorar as práticas de enfermagem através da implementação no serviço de novas tecnologias em saúde, como o cateter venoso central de inserção periférica”. Esta realidade culminou na realização de uma “intervenção educativa com os enfermeiros do serviço para a utilização do PICC”, tendo-se verificado “benefícios para os doentes e para os enfermeiros, nomeadamente na administração da terapêutica endovenosa de forma rápida e segura, na redução do número de punções venosas, de dor, de ansiedade e stress associados, assim como de complicações locais”.

Consulte as conclusões do estudo de investigação da Professora Doutora Luciene Muniz Braga na nossa biblioteca reservada para membros.

APoAVa parceira em projeto de investigação financiado

A Escola Superior de Enfermagem de Coimbra lidera um projeto, cofinanciado por fundos europeus, que tem por objetivo a implementação de tecnologias inovadoras na prática clínica dos enfermeiros com vista à prevenção de infeções associadas aos cuidados de saúde, relacionadas com o uso do cateter venoso periférico.
Escola portuguesa lidera projeto inovador para prevenção de infeções“TecPrevInf – Transferência de inovação tecnológica para as práticas dos enfermeiros: contributos para a prevenção de infeções” é o nome do projeto que resulta de uma parceria entre a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC/IPC), o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e a Associação Portuguesa de Acessos Vasculares (APoAVa).

Reunindo as áreas da Enfermagem e da Microbiologia com os contextos da prática clínica, pretende-se, ainda, com este projeto que algumas tecnologias disponíveis no mercado – exemplo dos equipamentos que recorrem ao ultrassom, da luz quase-infravermelha ou dos cateteres venosos centrais de inserção periférica –, passem a ser utilizadas na prática clínica dos enfermeiros, contribuindo para superar as contrariedades relacionadas com a cateterização venosa em doentes com acessos venosos difíceis.

De acordo com a responsável do projeto, professora doutora Anabela Salgueiro, “estas tecnologias contribuirão para diminuir a necessidade de um maior número de punções e, por conseguinte, de algumas complicações associadas, como a dor e o risco de infeção”.

Além de procurar contribuir para o bem-estar e segurança dos doentes, “o projeto TecPrevInf permitirá melhorar as competências dos profissionais, relacionadas com o uso destas tecnologias, e aumentar a satisfação profissional, ao facilitar uma prestação de cuidados de maior qualidade”, afirma a professora da ESEnfC.

“O Sistema de Apoio à Investigação Científica e Tecnológica que apoiará a implementação do TecPrevInf é uma mais-valia importante, pois o investimento previsto em termos de recursos humanos e de equipamentos seria, certamente, significativo para cada uma das instituições parceiras», implicando «custos consideráveis que o projeto poderá, agora, subsidiar e que de outra forma seria deveras complicado conseguir”, explica Anabela Salgueiro. Será, assim, possível contratar dois bolseiros em dedicação exclusiva e adquirir algumas tecnologias para implementação na prática clínica.

Este projeto, cujo período de execução termina em abril de 2019 (tem a duração de 18 meses), envolverá, também, estudantes de licenciatura da ESEnfC, através da iniciativa Rotações de Iniciação à Investigação, desenvolvida pela Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem, assim como estudantes de mestrado e de doutoramento que pretendam investigar nesta área do conhecimento.

O projeto TecPrevInf é cofinanciado pelo Centro 2020, no âmbito do Sistema de Apoio à Investigação Científica e Tecnológica, com um incentivo do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional de 120.756,36 euros para um investimento global de 148.785,25 euros.

Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Decorreu o 1º Encontro Nacional de Acessos Vasculares

Decorreu no passado dia 10 de novembro de 2017 o 1º Encontro Nacional de Acessos Vasculares, que reuniu 70 profissionais de 39 instituições públicas e privadas de saúde do Norte, Centro, Sul e Ilhas (Açores) de Portugal. O evento, acolhido pela UICISA:E da ESEnfC, apresentou enquanto objetivos: a partilha de experiências entre profissionais, sobre as práticas de cada instituição de saúde relacionadas com os cateteres venosos centrais e periféricos, tendo como suporte a evidência científica e guidelines publicadas sobre a temática, assim como, a divulgação da Associação Portuguesa de Acessos Vasculares (APoAVa).

O dia de trabalho foi profícuo tendo sido abordadas diversas temáticas, tais com: a diversidade de práticas existentes nas instituições de saúde relacionadas com a inserção e manutenção de cateteres venosos; materiais e tecnologias inovadoras disponíveis na atualidade para os cuidados neste âmbito; importância de criação de equipas multidisciplinares conforme já ocorre noutros países; necessidades de investigação científica na área, em Portugal.

As empresas Vygon, Teleflex, Bard, BBraun e 3M patrocinaram o evento e estiveram presentes com exposição de materiais e equipam

entos, para apoio à cateterização venosa.

Como propostas de trabalho futuro entre as instituições participantes, a APoAVa propôs: a sistematização das temáticas-chave relativas aos acessos vasculares discutidos no 1º Encontro Nacional de Acessos Vasculares; realização de um estudo de prevalência ponto sobre cateteres venosos periféricos; e a realização de Conferência sobre Acessos Vasculares no primeiro semestre de 2019.

1º Encontro Nacional de Acessos Vasculares

Decorrerá no próximo dia 10 de novembro o 1º Encontro Nacional de Acessos Vasculares, organizado pela Associação Portuguesa de Acessos Vasculares (APoAVa). Terá lugar nas instalações da Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC).

Associação Portuguesa de Acessos Vasculares

A iniciativa consiste numa reunião de médicos e enfermeiros de diferentes unidades hospitalares do país interessados pela temática, ou ligados profissionalmente à inserção e manutenção dos cateteres venosos centrais ou periféricos.

Refira-se que os enfermeiros convidados para o encontro pertencem ao Grupo Coordenador Local do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos, da Administração Regional de Saúde do Centro.

Criada há cerca de um ano, a APoAVa visa o desenvolvimento de atividades relacionadas com os acessos vasculares, como sejam consultoria técnico-científica, ações de educação e formação, organizações de feiras e congressos, edições e publicações científicas de livros, revistas, vídeos e outros formatos.

É uma associação que pretende integrar profissionais de áreas científicas multidisciplinares (como a Enfermagem, a Medicina, a Microbiologia e as Análises Clínicas), que contribuam para produzir e divulgar conhecimento, otimizando práticas profissionais para a qualidade de cuidados relacionados com os acessos vasculares.

Inscrições encerradas.

Mais informações sobre o 1º Encontro Nacional de Acessos Vasculares podem ser pedidas para os endereços de correio eletrónico info@apoava.pt, ou associados@apoava.pt.