APoAVa participa em Formação Avançada sobre inserção de PICC ecoguiada

Cerca de trinta enfermeiros que trabalham em contexto hospitalar na zona centro do país participaram, nos dias 14 e 29 de junho, numa formação avançada que decorreu na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), sobre a utilização de ecógrafo para seleção de acessos vasculares e inserção de cateteres centrais de inserção periférica.

A formação, no âmbito do projeto TecPrevInf, que é liderado pela ESEnfC e que visa a implementação de tecnologias inovadoras na prática clínica dos enfermeiros, com o propósito de prevenir infeções associadas ao uso do cateter venoso periférico, foi assegurada por Rita Barroca (Presidente da Mesa da Assembleia Geral da APoAVa), Mariana Sousa e Franscico Cabral, médicos no Instituto Português de Oncologia de Lisboa.

O ecógrafo é um aparelho que utiliza ondas de ultrassom de alta frequência que permitem visualizar, em tempo real, as estruturas internas de um determinado segmento anatómico, facilitando o procedimento descrito e evitando complicações imediatas.

O projeto “TecPrevInf – Transferência de inovação tecnológica para as práticas dos enfermeiros: contributos para a prevenção de infeções” é co-financiado por fundos europeus e resulta de uma parceria entre a ESEnfC, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC/IPC), o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e a Associação Portuguesa de Acessos Vasculares (APoAVa), juntando as áreas da Enfermagem e da Microbiologia aos contextos da prática clínica.

No âmbito do projeto TecPrevInf, estão previstas, ao longo do ano civil, mais sessões de formação avançada que visam a utilização de outras inovações tecnológicas (pensos de última geração para fixação de cateteres venosos periféricos e luz quase-infravermelha na seleção de acessos periféricos). Serão também disponibilizadas, brevemente, novas datas para Formação Avançada nesta área temática todos os profissionais de saúde em contexto nacional.

APoAVa parceira em projeto de investigação financiado

A Escola Superior de Enfermagem de Coimbra lidera um projeto, cofinanciado por fundos europeus, que tem por objetivo a implementação de tecnologias inovadoras na prática clínica dos enfermeiros com vista à prevenção de infeções associadas aos cuidados de saúde, relacionadas com o uso do cateter venoso periférico.
Escola portuguesa lidera projeto inovador para prevenção de infeções“TecPrevInf – Transferência de inovação tecnológica para as práticas dos enfermeiros: contributos para a prevenção de infeções” é o nome do projeto que resulta de uma parceria entre a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC/IPC), o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e a Associação Portuguesa de Acessos Vasculares (APoAVa).

Reunindo as áreas da Enfermagem e da Microbiologia com os contextos da prática clínica, pretende-se, ainda, com este projeto que algumas tecnologias disponíveis no mercado – exemplo dos equipamentos que recorrem ao ultrassom, da luz quase-infravermelha ou dos cateteres venosos centrais de inserção periférica –, passem a ser utilizadas na prática clínica dos enfermeiros, contribuindo para superar as contrariedades relacionadas com a cateterização venosa em doentes com acessos venosos difíceis.

De acordo com a responsável do projeto, professora doutora Anabela Salgueiro, “estas tecnologias contribuirão para diminuir a necessidade de um maior número de punções e, por conseguinte, de algumas complicações associadas, como a dor e o risco de infeção”.

Além de procurar contribuir para o bem-estar e segurança dos doentes, “o projeto TecPrevInf permitirá melhorar as competências dos profissionais, relacionadas com o uso destas tecnologias, e aumentar a satisfação profissional, ao facilitar uma prestação de cuidados de maior qualidade”, afirma a professora da ESEnfC.

“O Sistema de Apoio à Investigação Científica e Tecnológica que apoiará a implementação do TecPrevInf é uma mais-valia importante, pois o investimento previsto em termos de recursos humanos e de equipamentos seria, certamente, significativo para cada uma das instituições parceiras», implicando «custos consideráveis que o projeto poderá, agora, subsidiar e que de outra forma seria deveras complicado conseguir”, explica Anabela Salgueiro. Será, assim, possível contratar dois bolseiros em dedicação exclusiva e adquirir algumas tecnologias para implementação na prática clínica.

Este projeto, cujo período de execução termina em abril de 2019 (tem a duração de 18 meses), envolverá, também, estudantes de licenciatura da ESEnfC, através da iniciativa Rotações de Iniciação à Investigação, desenvolvida pela Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem, assim como estudantes de mestrado e de doutoramento que pretendam investigar nesta área do conhecimento.

O projeto TecPrevInf é cofinanciado pelo Centro 2020, no âmbito do Sistema de Apoio à Investigação Científica e Tecnológica, com um incentivo do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional de 120.756,36 euros para um investimento global de 148.785,25 euros.

Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra